sexta-feira, 14 de Março de 2008

Recenseamento Nacional dos Bombeiros Portugueses começa sábado e tem o apoio das associações

A partir de sábado os bombeiros de todo o país vão começar a ter os seus dados pessoais e profissionais reunidos numa mesma base de dados, medida saudada pelos representantes do sector.

O Recenseamento Nacional dos Bombeiros Portugueses (RNBP), cujas regras de criação e manutenção foram hoje publicadas em Diário da República, vai permitir a gestão dos efectivos dos vários quadros dos bombeiros, a gestão da sua actividade operacional e da sua formação, e ainda a verificação de informações e o processamento de reembolsos.

"É uma medida muito importante. Não se podem tomar decisões sem informação credível", defendeu hoje à Lusa Duarte Caldeira, presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, contactado pela agência Lusa.

Duarte Caldeira lembra que existe uma rede de expressão nacional (há no país 435 corporações de bombeiros, espalhadas por 307 dos 308 concelhos) que importa conhecer mais detalhadamente, e considera que o recenseamento permitirá uma caracterização precisa sobre o efectivo de bombeiros em cada concelho.

"Esta informação é uma base indispensável para um planeamento criterioso dos bombeiros, ao nível da distribuição de veículos, de recursos humanos e do regime de financiamento, atendendo à especificidade de cada concelho", afirmou.

Também para Fernando Curto, Presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), esta é uma "proposta muito boa", que "vai ao encontro das necessidades dos bombeiros".

"Há uma grande indefinição para saber quantos efectivos há em Portugal. Quantos bombeiros voluntários existem? Para além disso, o recenseamento permite excluir quem está inscrito nos Bombeiros Voluntários, recebendo regalias, mas sem prestar serviço", declarou à Lusa.

O presidente da ANBP explica que o recenseamento permitirá por exemplo ter uma ideia global e fazer uma avaliação da idade dos bombeiros portugueses, da sua formação e das funções que desempenham.

Fernando Curto recorda que este tipo de informação já existia ao nível das associações e considera que o RNBP vem trazer uma "centralização, organização e clarificação em benefício do sector".

A tutela do RNBP caberá à Autoridade Nacional de Protecção Civil, responsável pela gestão e tratamento dos dados, pela segurança e protecção dos mesmos e por todas as despesas.

A criação do RNBP estava prevista na lei desde Junho do ano passado e está incluída no programa Simplex 2007 do governo.

Lusa